Mostra Competitiva Capixaba

203 (Documentário, 18 min., 2016, classificação indicativa 10 anos).

O ônibus circular 203 é responsável pelo transporte de pessoas entre Santa Clara e Ilha do Boi, bairro nobre da cidade de Vitória. Diariamente, as trabalhadoras domésticas das luxuosas mansões da Ilha do Boi utilizam-no para atravessar a cidade e chegar ao trabalho.

Direção e Roteiro: Luana Cabral e Luciana GB; Direção de Produção: Ana Carolina Pagani; Produção Executiva: Luana Cabral; Direção de Fotografia: Luciana GB; Som Direto: Victor Neves e Januária Holmes; Montagem: Luana Cabral e Luciana GB; Edição de Som: Ricardo Ton, Victor Neves e Januária Holmes; Mixagem: Ricardo Ton; Trilha Sonora: Ricardo Ton e Lucas Côrtes; Design Gráfico: Fábio Baptista; Color Grading: Ramon Zagoto.

>Exibido no 6º Festival Perro Loco de Cinema Latino-americano (GO) e na 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes (MG).

 


As Minas (Documentário, 18 min., 2017,  classificação indicativa livre).

O hip hop é um movimento de contestação social e expressão artística, mas desde o seu início no final dos anos 60, em Nova York, é visto como um meio machista. A participação feminina fica diante de uma invisibilidade e, por isso, desde então a mulher resiste nesse cenário. Hoje, ela já está tomando o espaço que sempre foi dela também e está representando o movimento com todo o seu empoderamento. Entre tantas mulheres que fazem parte dessa cultura, na Grande Vitória alguns grupos ganham a cena. Conheça o Preta Roots, Melanina MCs, Coletivo DasMina e Conexão Flow.

Direção: Brunella Alves, Roteiro: Brunella Alves e Isabella Mariano; Direção de Produção, Produção Executiva, Direção de Fotografia: Brunella Alves; Som Direto: Victor Neves e Januária Holmes; Montagem, Edição de Som: Marcelo N. Reis; Mixagem: Ricardo Ton; Trilha Sonora: Mulheres – Bella Larbac, Mary Janes, P. Drita e Budah; Dolos – Drake Stafford, Fotografia: Áthilla Hércules e Marcelo N. Reis.


Black Catolic Galactic  (Videoarte, 2 min., 2017, classificação indicativa livre).

O sofrimento torna alguém santo? Todos lembram de Cristo por causa do sofrimento. Mas quem lembra da mulher negra, mãe solteira, periférica? O sofrimento torna alguém santo?

Direção, Roteiro, Direção de Produção, Produção Executiva, Direção de Fotografia, Direção de Arte, Montagem, Edição de Som: Henrique do Carmo; Trilha Sonora: Mariano Marovatto.


C(elas) (Documentário, 18 min., 2017,  classificação indicativa livre).

Os meses finais da gravidez e os primeiros após o nascimento de um bebê são experiências únicas na vida de uma mulher. E quando esse cotidiano é vivido dentro de uma penitenciária?

Direção e Roteiro: Gabriela Santos Alves; Direção de Produção: Melina Galante Leal; Produção Executiva: Maria Grijó Simonetti; Empresa Produtora: Ladart Produções; Direção de Fotografia: Ursula Dart; Som Direto: Alê Toledo; Montagem: Carol Covre; Edição de Som: Marcus Neves.

>Exibido no 7º Social World Film Festival – Itália (2017), 13º Women’s World Mostra Audiovisual (2017) – Florianópolis-Brasil e 6º  Mic Género (2017) – México e Argentina.


Como areia do mar (Documentário, 19 min., 2016,  classificação indicativa livre).

Compilado de memórias de três idosas, onde suas histórias de vida se cruzam e se misturam a serviço de sensações múltiplas, refletindo suas dores, traumas e opressões vividas.

Direção, Roteiro, Direção Executiva, Montagem: Raphael Sampaio; Direção de Produção: Bipe Couto e Adryelisson Maduro; Direção de Fotografia: Willian Rubim; Som Direto: Lucas Danto; Edição de Som, Mixagem: Gabriela Sampaio e Ricardo Ton; Trilha Sonora: Deyvid Martins.

>Exibido no 23º Festival de Cinema de Vitória e no 28º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo.


Córrego Grande, 13 (Documentário, 13 min., 2015,  classificação indicativa livre).

Na rua Córrego Grande, eu e meus avós conversamos sobre fotografia e um futuro museu.

Direção, Roteiro, Direção de Produção, Direção de Fotografia, Som Direto, Montagem: Carol Covre; Produção Executiva: Vitor Graize; Empresa Produtora: Pique Bandeira Filmes; Edição de Som, Mixagem: Marcus Neves.

>Exibido no 27º Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo, 23º Festival de Vitória, 16ª Mostra do Filme Livre (RJ/MG) e na Mostra Estadual Sesc de Cinema em 2017.


Divina Luz (Documentário, 15 min., 2017,  classificação indicativa 12 anos).

O pensamento vivo de Luz del Fuego, a bailarina naturista que balançou o Brasil nos anos 50.

Direção e Roteiro: Ricardo Sá; Direção de Produção: Monica Nitz; Produção Executiva: Monica Nitz e Ricardo Sá; Empresa Produtora: Interferências Filmes; Direção de Fotografia: Diego Navarro; Montagem: Luca Bonini; Edição de Som: Cons buteri.

>Exibido no Cine Ouro Preto  ( MG/ 2017), Festival Internacional de Curtas de São Paulo (SP/2017), Festival Internacional de Curtas de BH (MG/2017), 24º Festival de Cinema Vitória (ES/2017), Festival Internacional de Cinema Experimental – DOBRA (RJ/2017), Festival L´Etrange – (Paris – França 2017) JacksonVille Documentary Film Festival (Florida – EUA /2017), Pirenópolis.Doc (GO/2017), Festival Luso Mundo (Bruxelas – Bélgica/2017).


Entre (Videoclipe, 4 min., 2016,  classificação indicativa livre).

Videoclipe da música “Entre” da cantora Joana Bentes.

Direção, Direção de Fotografia, Montagem: Tati W Franklin e Suellen Vasconcelos; Roteiro: Joana Bentes; Direção de Produção, Produção Executiva: Daiana Castilho; Empresa Produtora: FIlmes Fritos e PlanoB Arte e Projeto.                                                                                                                                        

 

 


Espírito São (Documentário, 26 min., 2016,  classificação indicativa livre).

Uma viagem sagrada e espiritual pelo Espírito Santo que une cinco personagens em diferentes histórias de fé. São mestres da sabedoria popular que nos apresentam um caminho onde as ladainhas, as brincadeiras de Reis de Boi, as giras de Umbanda, o Santo Daime e a meditação são apenas algumas das formas de viver esta jornada.

Direção, Roteiro, Montagem: Léo Alves Ferreira; Direção de Produção: Lívia Egger e Marcela Mattos; Produção Executiva: Tania Caju; Empresa Produtora: Garupa Filmes e Caju Produções; Direção de Fotografia: Matheus Henrique Triunfo Costa; Som Direto, Edição de Som: Fernando Paschoal; Direção de Arte: Raphael Genuino e Fabiane Salume.

>Exibido no 23º Festival de Cinema de Vitória (2016).


Frequência (Documentário, 5 min., 2014,  classificação indicativa livre).

“Frequente. Propagação de onda mecânica sensível ao ser humano. Do verbo ouvir, infinitivo impessoal. Possível de escutar, mais que ouvir.”

Direção: Dayana Cordeiro e Willian Rubim; Roteiro: Dayana Cordeiro; Argumento: Willian Rubim; Direção de Produção: Inglydy Rodrigues; Direção de Fotografia: Dayana Cordeiro; Som Direto: Dayana Cordeiro, Inglydy Rodrigues e Willian Rubim; Montagem: Inglydy Rodrigues e Maurício Corteletti; Edição de Som: Inglydy Rodrigues e Renata Rodrigues; Assistente de Produção: Hélio Perin; Assistente de Fotografia: Juliana Saiter.

>Exibido na Mostra Próximos Olhares (2014) e Circula Curtas (2015).


Hic (Experimental,15 min., 2016,  classificação indicativa 14 anos).

O maratonista africano Wandijiru Kebebe é acometido por uma crise de soluços que o teletransportam para as mais inusitadas situações na pequena ilha de Vitória, transformando-o em um fenômeno midiático mundial.

Direção e Roteiro: Alexander Buck; Direção de Produção: Éder Formigoni; Produção Executiva: Magno Santos; Empresa Produtora: Finordia Produções Culturais Ltda.; Direção de Fotografia: Alexandre Barcelos; Som Direto: Fernando Boechat Paschoal; Direção de Arte: Thiago Lins; Montagem: Diego Navarro; Edição de Som, Mixagem e Trilha Sonora: Marcus Neves.

>Seleção nos Festivais Zózimo Bulbul, Festival 11o CineBH, Festival de Cinema Fantástico POE, Festival Cine Clube Jacareí – Corvo de Gesso 2017.


Hotel Cidade Alta (Ficção, 25 min., 2016,  classificação indicativa livre).

Três homens se encontram em um antigo hotel abandonado. Nesse edifício aparentemente sem vida, eles buscam construir uma nova história. Suas vozes se misturam ao ruído das ruas.

Direção, Roteiro, Produção Executiva: Vitor Graize; Direção de Produção: Maria Grijó Simonetti; Empresa Produtora: Pique-Bandeira Filmes; Direção de Fotografia: Igor Pontini; Som Direto: Marcus Neves; Montagem: Rodrigo de Oliveira; Edição de Som, Trilha Sonora: Hugo Reis; Mixagem: Marcus Neves; Assist. de Direção: Rodrigo de Oliveira; Assist. de Fotografia: Willian Rubim; Contra-regra, Elétrica: Rafael Roos Kuster; Fotografia Still: Felipe Amarelo; Produção de Arte: Patricia Bragatto; Pesquisa: Gisele Bernardes; Assist. de Montagem: Diego de Jesus.

>Exibido na 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes, 16ª Mostra do Filme Livre, 12ª CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto, 1ª Mostra Sesc de Cinema Nacional – Destaque Estadual de Roteiro, Direção e Desenho de Som.


Melodiário, sobre a obra de Jaceguay Lins (Documentário, 25 min., 2015, classificação indicativa livre).

Ensaio sobre a obra musical, cinematográfica e poética do Maestro, poeta, montador e trilheiro de cinema Jaceguay Lins. Artista da vanguarda musical brasileira na década de 1970, Lins fez trilhas e músicas para grandes nomes do cinema brasileiro. Na década de 1980 veio reger a Orquestra Filarmônica do Espírito Santo e passou a desenvolver pesquisas sobre a cultura popular, agregando a expressão folclórica às suas composições. Fez também inúmeras trilhas para o cinema capixaba. Melodiário, seu trabalho derradeiro em disco, que sintetiza essa pesquisa, é o lugar de trabalho deste filme.

Direção, Roteiro, Direção de Produção e Montagem: Marcos Valério Guimarães; Empresa Produtora: HD3D Cine Vídeo; Direção de Fotografia: Matheus Costa; Direção de Arte: Marcelo Ferreira; Som Direto, Mixagem, Edição de Som: Pedro Magalhães; Trilha Sonora: Jaceguay Lins.

>Exibições em cineclubes e salas especiais, Mostra Sesc Regional (2017).


No Caminho da Escola (Animação, 9 min., 2017,  classificação indicativa livre).

No caminho da escola, uma menina faz uma viagem alucinante por planetas imaginários e perde a primeira aula.

Direção e roteiro: Alunos do Projeto Animação; Direção de Produção, Produção Executiva: Beatriz Lindenberg; Empresa Produtora: Instituto Marlin Azul; Montagem: Marcelo Perin; Trilha Sonora: Pedro de Alcântara; Orientação de Roteiro: Rosaria; Orientação de Animação: Ariane Piñeiro, Marcelo Perin, Marinéia Anatório e Rosaria; Tratamento de Imagens: Ariane Piñeiro, Irson Barbosa e Marinéia Anatório.

>Exibido no  III Edição Cine Jardim – Festival de Cinema de Belo Jardim (2017),  16ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis (SC/2017).


Platônico (Videoclipe, 3 min., 2017,  classificação indicativa livre).

Primeiro videoclipe da De- Bando.

Direção, Direção de Fotografia: Pedro Cunha; Roteiro, Montagem: Pedro Cunha e Ariel Lacruz; Direção de Produção: Ariel Lacruz; Edição de Som: Jackson Pinheiro; Trilha Sonora: De-Bando.

>Lançado no Cineclube Central em 24 de maio de 2017.


Polígono (Ficção, 12 min., 2016,  classificação indicativa livre).

Lis comeu uma uva e se lembrou.

Direção e Roteiro: Caio Fabricius; Direção de Produção, Produção Executiva: Maria Grijó; Direção de Fotografia: Willian Rubim; Som Direto: Esteban Viveros; Direção de Arte: Juane Vaillant; Montagem: Caio Fabricius; Edição de Som, Mixagem: Esteban Viveros e Sann Gusmão; Trilha Sonora: Sann Gusmão; 1º Assistente de Fotografia: Junior Batista; 2º Assistente de Fotografia: Gabriel Cardoso; Assistente de Produção: João Oliveira; Escultura: Alexandre Brunoro; Assistente de Direção: Eduardo Madeira; Assistente de Montagem: Mariana Bending.


Sweet River (Videoclipe, 4 min., 2017,  classificação indicativa livre).

Sweet River antes de ser apenas um videoclipe de música, surge como um manifesto em forma de lamento artístico, explorando as belas e tristes imagens captadas por uma expedição feita pela ONG. “Últimos Refúgios (ES)”, dias após o rompimento da barragem de rejeitos em Mariana (MG) em 2015. E propõe a reflexão sobre os impactos nocivos do nosso consumo no meio ambiente.

Direção, Roteiro, Direção de Produção, Produção Executiva, Direção de Arte, Montagem, Trilha Sonora: Manfredo; Empresa Produtora: Moustache Produções Artísticas; Direção de Fotografia: Léo Merçon e Glauber Castro; Som Direto: Léo Merçon e Glauber Castro; Edição de Som: Fabiano Hirota e Manfredo; Mixagem: Fabiano Hirota.


Transvivo (Documentário, 30 min., 2017,  classificação indicativa livre).

Transvivo é um documentário que acompanha as vivências de Izah e Murilo enquanto passam pelo processo de transição de gênero.

 

Direção, Roteiro, Produção Executiva, Montagem: Tati W Franklin; Direção de Produção: Tati W Franklin e Suellen Vasconcelos; Empresa Produtora: Filmes Fritos; Direção de Fotografia: Shay Peled e Junior Batista; Som Direto: Gabriel Neves; Edição de Som, Mixagem: Leo Molini; Trilha Sonora: Joana Bentes; Assistência de Direção: Suellen Vasconcelos; Produção: Wagner Vieira; Assistência de Produção: Bruno Gueller.


Verônika Oyá Mareow (Videoarte, 3 min., 2017,  classificação indicativa livre).

Como traduzir em poesia a narrativa de um assassinato? Com Verônika morta, sua parceira de palco Athenna recorre a mitologia de Oyá, a que rompe o véu entre mundos e conduz os Mortos, para honrar as almas de suas irmãs travestis através do jogo cartográfico da Performance.

Direção, Roteiro, Direção de Produção, Produção Executiva, Montagem, Edição de Som, Mixagem: Herbert Fieni; Direção de Fotografia: Anderson Bardot; Direção de Arte: Herbert Fieni e Jaklane Almeida; Trilha Sonora: Cantigas populares Candomblé Ketu; Assistente de Fotografia: Roger Gomes Ghil; Produção de Set: Fabrício Fernandez.